São Paulo, SP
(11) 99244-4278
tnobile.marketing@gmail.com

Neuromarketing

Neuromarketing

Sempre tentamos diversas maneiras de conseguir chamar atenção do nosso público, seja para realizar uma compra, usufruir de algum conteúdo, fazer com que simpatizem conosco e etc.

Não existe uma fórmula secreta que faça as pessoas amarem a sua marca, isso vai depender de seu esforço e investimento.

Agora, podemos deixar essa trajetória menos complicada!

Para isso, precisamos entender sobre: Neuromarketing.

Precisamos praticamente entrar na mente de nossos consumidores para entender o que querem, como se sentem, pensam, agem, etc.

Tudo isso é analisado pelo Neuromarketing e hoje você será introduzido ao básico sobre este conceito e como é aplicado.  

Neuromarketing = Ler mentes?

Como o próprio nome sugere, Neuromarketing é uma mistura entre: Neurociência + Marketing.

O objetivo deste conceito não seria saber exatamente o que os consumidores pensam, mas sim entender o funcionamento neural que faz com a gente decida optar por algo, ou seja, nossa tomada de decisão.

Apesar de encontrarmos uma razão para o que fazemos, o processo de absorver uma informação e então agir, é feita inconscientemente.

Tudo passa por 3 setores do nosso cérebro: Reptiliano, Límbico e Neocórtex.

Enquanto o Reptiliano e Límbico agem conforme nossos sentidos, seja físico ou emocional, o Neocórtex é o que tenta dar um motivo para estas sensações.

Imagine aquelas amostras de quentinhas de comida em supermercados, primeiro você sentirá algo o cheiro, provará a comida, a sensação será processada, então você saberá o motivo lógico por ter gostado ou não.

O Neuromarketing se propõe a estudar e chegar em uma conclusão de como nosso cérebro funciona, para basicamente, conseguir criar campanhas de marketing mais eficiente.

Afinal de contas, todo mundo está mais exigente ultimamente, certo?   

Ninguém quer gastar o seu suado dinheiro com qualquer coisa ou com uma marca que não liga para nada além de lucrar.

Assim como falamos no post sobre: “Como funciona o marketing boca a boca no mundo digital”, tudo está em constante evolução!

Aplicando o conceito no mundo digital

Talvez você ache que este conceito seja muito complicado de se aplicar, mas na verdade, é até simples.

Claro que existem inúmeras camadas para esse assunto, várias visões e diferentes formas de análise.

O que você precisa tirar disso é ser cuidadoso com o que você faz e, testar, testar muito!

Usar Gatilhos mentais, por exemplo, é uma boa técnica prática do Neuromarketing que mexe de diversas formas diferentes com os sentimentos do consumidor, visando causar uma reação que gere alguma empatia pelo produto ou marca.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As primeiras impressões que o consumidor tem ao entrar em contato com o site de uma loja virtual, de tal modo que emoções são desencadeadas e farão com que o consumidor se sinta mais feliz para realizar a compra.

Os pesquisadores da Carleton University ficaram impressionados ao descobrir que mostrar a usuários a imagem de um site por meros 50 milésimos de segundo – o equivalente a 1\20 de 1 segundo – foi suficiente para decidir quão interessante era o site“ (Fonte: IBN Brasil)

Este é um exemplo da importância de planejar e trabalhar duro.

Apenas olhando para um layout as pessoas podem querer continuar no seu site, ou não.

Coloque-se no lugar deles, você gostaria de entrar em um site onde os elementos estão todos bagunçados?

Um lugar caótico em que as cores não combinam, na verdade, elas só atrapalham?

Com isso em mente, agora você precisa utilizar o conceito do Neuromarketing, realizar testes para descobrir o que seu público prefere e repetir o processo. Aí você pergunta: “como começar?”

Teste A/B

citamos ele por aqui, porém, caso você não conheça, o objetivo dele é bem simples: Comparar dois elementos, observando qual deles foi mais bem aceito.

Por exemplo, tirar uma foto utilizando um filtro de cor azulada e outro com tons laranja, depois ver qual dentre as duas fotos, às pessoas curtiram mais.

Este tipo de teste é bastante comum, e você pode aproveitar ele para descobrir a preferência do seu público.

Nesse método podemos utilizar qualquer coisa para o teste.

Pode ser uma imagem com fontes diferentes, botões variando de cor, tipo de conteúdo para blog também pode ser um bom teste, etc.

Só tenha em mente que nunca dá para agradar todo mundo.

No final das contas, quem tenta agradar todo mundo acaba agradando ninguém.

Storytelling

Nós confiamos em quem conhecemos.

É tiro e queda. E confiança é algo que se é conquistado por merecer, para as empresas é a mesma situação.

Ninguém vai sentir uma completa empatia logo de cara. Claro que a pessoa pode simpatizar com o layout, cores, design de sua rede social, mas isso é o primeiro estágio!

Uma dica que daremos é utilizar o Storytelling para ajudar nesse quesito.

Assim, seu público irá conhecer melhor você, aonde veio, motivações, interesses. Isso certamente vai gerar uma simpatia, um começo de ligação afetuosa para a famosa “fidelização de cliente”, quem não adoraria algo assim, certo?

Criando uma experiência

Às vezes conseguir mais do que lhe é esperado gera uma sensação boa.

Pagar por um produto e levar outro de “brinde” é um bom exemplo disso, todavia, caso for algo inesperado, talvez tenha uma sensação ainda melhor.

O que eu quero dizer com isso é: Não faça só aquilo que você tem que fazer. Sua rede social pode ser muito mais do que apenas fotos, que tal textos diferenciados? Vídeos? Até mesmo outros tipos de imagem. Surpreenda!

Tenha certeza de criar toda uma experiência para seus usuários, eles irão lembrar disso, já que tudo vai ficar guardado com eles na memória.

Um visual de tirar o fôlego!

Outro componente que incrementa a experiência do usuário é o visual.

Como foi citado lá em cima, apenas com poucos o cérebro da pessoa decide se ela se interessou pelo site ou não.

Para que o seu site/rede social esteja do lado interessante, basta focar em uma identidade visual única, que seja a cara da sua empresa.

Mas lembre-se de atender aos 4 princípios básico do design: repetição, proximidade, alinhamento e contraste.

Juntando estes elementos, será difícil alguém não ter vontade de explorar o seu negócio.

Digamos que este é sua vitrine e você precisa deixá-la impecável para que as pessoas sintam a necessidade de entrar na loja.  

Frete grátis

O saudoso frete grátis…  não podemos negar como estas palavras nos atingem de uma forma diferente.

Aquele tênis que você andou namorando por 3 meses, parecia que nunca ia ganhar uma promoção válida que motivasse a compra.

Mas basta um frete grátis para valer a pena, mesmo que a promoção seja de apenas 10%.

Afinal, receber algo que você quer muito, sem sair de casa e ainda por cima não pagar nada para entregar, isso não passa despercebido!

 

Por que sentimos essa sensação?

 Por diversos motivos, contudo, o que fica mais evidente é causado pela sensação de escassez.

Não é fácil achar lugares que oferecem opção de entrega gratuita.

Geralmente vemos situações específicas. Geralmente você precisa comprar até uma determinada quantia para liberar esta opção.

Então, assim que vemos uma promoção da Amazon em que a loja inteira está com frete grátis, é algo que não passa despercebido.

Este é um item que você precisa considerar em sua planilha de planejamento. Só não vá achando que é simples, pois caso fosse, todo mundo faria.  

Pequenas coisas que funcionam

Outras pequenas coisas que consegue trazer esse desejo de compra de seu consumidor é a precificação e brindes.

Pode parecer simples, só que dá resultado!

Preços como: 19,99, 11,90, 27,99, etc. Conseguem atrair melhor as pessoas do que preços cheios.

Digamos que dá uma enganada no cérebro. Não tem o mesmo peso um produto de 20 comparado com 19,99. Nesse caso faz você pensar que o preço não é tão ruim, porque não é 20, daí vem o: “Talvez vale a pena”.

Seguindo nessa mesma visão, podemos observar que brindes também tem este efeito. “Ah, mas tem um brinde, se fossemos comprar separado saia mais caro”.

Uma ótima opção para quem está precisando liberar mercadoria parada.

A questão toda é focar em atingir alguma sensação no cliente.

 

Deixando sua marca

Ouvir alguém falar que compraria qualquer produto seu de olhos fechados, deve ser uma sensação muito boa, não!?

Caso você fique atento e execute todas essas dicas que demos, definitivamente será um caminho certeiro.

O resultado pode não vir hoje, ou amanhã, nem depois, mas ele chega. Basta manter o foco e continuar o trabalho.

Por isso, estamos sempre produzindo conteúdo atual, relevante e diferente. Tudo isso para lhe fornecer uma base boa do que deve ser feito.

Continue nos acompanhando que este tipo de conteúdo relevante não vai parar.

Apenas não esqueça de compartilhar com seus amigos e comentar! Queremos saber sua opinião, já que ela é importantíssima para nosso desenvolvimento.

 

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *