São Paulo, SP
(11) 99244-4278
tnobile.marketing@gmail.com

O Snapchat ainda está vivo?

O Snapchat ainda está vivo?

Tenho certeza de que você já ouviu falar muito do Snapchat. Mas agora, você se pergunta, ele ainda existe? Apesar de seus esforços, o número de usuários caiu muito, a concorrência tem investido mais e mais para continuar no topo. É muito difícil saber como anda esta rede social, por consequência desse declínio, quase ninguém comenta sobre ele nas demais redes.

Por isso, hoje preparamos para vocês, um post dedicado a descobrir como anda o Snapchat atualmente, será que ele continua vivo? Mas não se preocupem, não será só isso. Falaremos um pouco de sua trajetória, quando surgiu, seu conceito, auge, problemas que sofreu, etc. Vamos destrinchar tudo isso, então se preparam!

Eu lhes apresento o Snapchat

O conceito do Snapchat foi criado e desenvolvido por três estudantes de uma universidade em Stanford: Evan Spiegel, Boddy Murphy e Reggie Brown. A ideia de Reggie é bem simples, conseguir enviar fotos que desaparecessem com o tempo.

No início o nome do aplicativo se chamava “Picaboo” e foi em setembro de 2011 que o nome definitivo foi criado. Com o App relançado com o novo nome, não demorou muito para que milhões de fotos fossem compartilhadas todos os dias através do Snapchat.

Como já falamos, o conceito é simples, fotos que duram de 1 a 10 segundo (Quem postou a foto decide quanto tempo irá durar), podendo ser compartilhada para qualquer um de seus amigos, ou se preferir, determinar para quem você deseja enviar. Caso você não se importe que todos possam ver aquela foto ou vídeo, basta enviar o arquivo para a “história”.

No caso da história, seu Snap ficará no ar por 24 horas, para qualquer pessoa, mas, apenas poderá ser visto durante os segundos que o usuário determinou anteriormente. Este é o básico sobre o app, o que sobra seriam as opções de customização do seu Snap: Filtros, adição de texto na foto, emojis, reconhecimento facial (Sabe aquelas fotos com orelhas e focinho de cachorro? Então, é dessa função), etc.

 

Caso queira saber mais detalhadamente como o app funciona, o Techmundo fez um post/vídeo explicando tim-tim por tim-tim. Basta clicar aqui para acessar e, apesar de ter saído em 2016, ainda é muito informativo. Bom lembrar que o próprio site do Snapchat explica bem resumidamente, porém, está completamente em inglês.

Do céu ao inferno

“... O app de Evan Spiegel tem aumentado sua base de usuários ativos de forma um pouco mais lenta que o Twitter e muito mais lenta que o Facebook quando essas duas redes estavam em estágios semelhantes de evolução.

No terceiro trimestre de 2015, o Snapchat tinha 94 milhões de usuários ativos. O Facebook tinha um público semelhante no segundo trimestre de 2011: 92 milhões de usuários. Dois anos depois, o Facebook chegou a quase 400 milhões de usuários ativos (e, atualmente, já tem mais de 2 bilhões). O Snapchat, até hoje, não passou de 200 milhões de usuários.”

(Fonte: Tecnologia Uol )

Muitas pessoas botavam fé que o Snapchat conseguiria chegar a bater de frente com o todo poderoso Facebook. Tentem puxar da memória anos atrás, entre 2011 e 2014, em todos os lugares você ouvia falar do aplicativo, milhões de usuários utilizando diariamente, não é à toa que em 2016 havia desbancado o Twitter e ainda continuava crescendo.

Não podemos esquecer também, a tentativa de Mark Zuckerberg de comprar a empresa oferecendo US$ 3 bilhões de Dólares. E é por aí que começamos a enxergar como começou uma “guerra civil” entra Snapchat e Instagram (na época já estava em posse de Zuckerberg) após recusarem a proposta.

Vocês já devem ter percebido até o momento que o conceito do Snap é muito similar ao Instagram Stories, não é mesmo? Pois é, não tem como negar que esta função de fotos ou vídeos que duram por um certo tempo faz sucesso e, como Zuckerberg não conseguiu isso de um jeito, ele fez de outro. Um golpe sujo? Talvez, mas isso não parece ter afetado os usuários, já que muitas pessoas migraram de uma plataforma para outra, hoje em dia Instagram alcança 1 bilhão de usuários ativos por mês.

Só que não para por aí, por conta disso, cada vez mais existem comparações entre as duas redes sociais, para ver quem vai copiar o que. E, sim, o Snapchat está devolvendo na mesma moeda, literalmente um “Olho por olho, dente por dente.” Funções como: Filtros interativos, aviso quando alguém tira print de suas fotos e vídeos e gifs, são algumas das muitas implementações que geram discussão de cópia.

O freio no crescimento do Snapchat sem dúvida nenhuma vem deste fator, da migração de usuários. Seu concorrente copia aquilo que torna você único, lhe deixando sem nada, já que neste caso, o Instagram já tinha seu público e a adição do Stories, digamos que fez com que as pessoas pudessem encontrar tudo em um só lugar.

Igual um Smatphone, você tem função de tempo, então para que comprar um relógio? Você pode ouvir música, então por que comprar um mp4/iPod? Ou seja, se o Instagram, além de suas aplicações, possui uma ferramenta para postar fotos e vídeos por um determinado tempo, por que utilizar o Snapchat que só faz isso?

Portanto, sem o mesmo alcance de antes, cada vez ouvimos falar menos da plataforma. Então fica a pergunta do título: O Snapchat ainda está vivo?

Morreu ou não morreu?

Não. O Snapchat ainda existe e continua tendo novidades. A questão é que ele não está na boca do povo, difícil você ouvir alguém comentando algo a respeito. Mas, sim! Ele está vivo e sendo utilizado 191 milhões de usuários diários. Um crescimento comparado ao trimestre anterior que, segundo o site tecnoblog, este fator se deve pelo redesign que foi feito no aplicativo.

Apesar de muitos usuários antigos não terem gostado tanto da mudança, teve bons resultados no final. Sem contar que o crescimento do número de usuários gerou um aumento nas ações da empresa na bolsa de valores.

Podemos acrescentar na lista as novas funções que foram adicionadas no decorrer dos anos, vídeos em looping, geofiltros, gifis, snaps só para grupos etc. O mais recente dentre eles é a opção de ativar as lentes com comando de voz (lentes seriam os efeitos que mudam a aparência da pessoa).  

Basta apenas uma pesquisa no Google para ver que o Snap ainda está vivo e tentando se manter, mesmo não estando na graça do povo como em anos anteriores. Outra pergunta que pretendemos responder para vocês, será que vale a pena investir com anúncios na plataforma? Veremos isso agora.

Diversas formas de anúncios

Como você podem ver, esta rede social ainda está ativa e trabalhando para melhorar cada vez mais. A questão que fica agora seria relacionado aos anúncios patrocinados, vale a pena? O que podemos afirmar é que… depende.

Certamente ele não será sua primeira opção, já que outras plataformas possuem um número muito superior de usuários ativos. Entretanto, é uma opção válida e que deve ser analisada, sim! Já que a base de usuários é grande, existem funções diversas para que você consiga atingir exatamente seu público alvo, inclusive a empresa tem parceria com a Oracle Data Cloud, o que ajuda muito para segmentar para quem irá a sua publicidade.

No final de tudo, quem deve decidir se vale a pena ou não é você. Precisa fazer uma boa análise para ver se compensa os gastos, só tenha garantia que existem muitas pessoas que ainda utilizam o serviço e, que este fator não deve ser ignorado.   

Mais um mito desvendado

Há um tempo atrás falamos sobre o Periscope, hoje nós desmistificamos sobre a possível morte do Snapchat, agora, qual será o próximo? Deixe sugestões nos comentários sobre qual outro serviço vocês querem saber sobre, assim como sua opinião com relação ao post de hoje, já usou o Snapchat? Pensa em voltar? Ficou interessado? Não deixe também de compartilhar com seus amigos para que possamos discutir mais este assunto.

2 comentários

  1. Cassia Silva disse:

    Muito interessante o seu artigo.
    Obrigada pela atenção e pelo conteúdo maravilhoso.

  2. Cassia Silva disse:

    Obrigada por compartilhar conosco conteúdos relevantes.
    Devemos sempre pensar fora da zona de conforto.
    Muito interessante o seu artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *